Chegou mais uma sexta-feira, dia de dica de passeio!

E hoje, indicarei um dos parques que mais frequentamos: o Parque Villa Lobos. Eu particularmente gosto muito deste parque pela proximidade de onde moramos (zona oeste de São Paulo), e por apresentar grande área plana, o que o torna ótimo para as brincadeiras das crianças.

Não é sempre que temos a oportunidade de fazermos passeios ao ar livre, mas sempre que podemos, visitamos o Villa Lobos, desde a época em que meu marido e eu namorávamos.

O parque Villa Lobos possui ciclovia, quadras, campos de futebol, playground, bosque, aparelhos para ginástica, pista de cooper, tabelas de street basketball e anfiteatro aberto. Na foto, a minha filha tinha 1 ano e 5 meses, e estava curtindo o som de uma banda (desconhecida) no anfiteatro.

Embora o parque possua lanchonete, normalmente levo lanche para a minha filha (para o caso de bater aquela fominha repentina), mas meu marido e eu costumamos nos alimentar fora do parque. Até mesmo porque, as lanchonetes do parque costumam ser lotadas.

O Parque Villa Lobos abre todos os dias (incluindo fins de semana e feriados), das 5h30 às 19h. E, em minha opinião, a melhor época para visita ao parque é nos dias mais frescos, porém com sol, pois a área do playground, por exemplo, não é muito arborizada.

Durante a nossa última visita ao parque, levamos a bicicleta da nossa filha (Triciclo Smart Gatinha, da Bandeirante), mas há a opção de locação de bicicletas e triciclos. No parque também há orquidário e espaço para soltar os pets.

Nas próximas imagens, a minha filha já estava com 2 anos e 5 meses… Um ano após as primeiras fotos!

E como nesse final de semana (dia 21 e 22 de setembro) tem Viradinha Esportiva em diversos locais de São Paulo, o Parque Villa Lobos disponibilizará brinquedos infláveis, atividades esportivas, oficinas manuais, apresentações de palco, gincanas e atividades recreativas monitoradas. Aproveite, os horários são das 10h às 17h, para crianças até 12 anos.

Fica a dica para este final de semana!

Abraços, Mari.

Assim que a criança inicia a vida escolar, surgem diversas roupas e materiais a serem organizados, de forma a facilitar o dia a dia das crianças e de seus responsáveis. Portanto, mostro aqui como organizei o material escolar da minha filha, os uniformes e as atividades que ela frequentemente traz da escola.

Os uniformes são guardados em uma única gaveta, de forma a centralizar as roupas limpas da escola e não misturá-las com as demais.

Nota: tirei a foto num domingo, por isso a gaveta estava praticamente vazia. Aqui em casa, os uniformes são lavados durante a semana, para serem passados na segunda-feira.

As atividades trazidas da escola no dia a dia e as pastas de atividades semestrais, também são centralizadas em uma única gaveta. Assim, as atividades feitas pela minha filha não ficam espalhadas, e ficam guardadas como recordação.

Como a minha filha só tem três anos, compreendo que a quantidade de atividades ainda é pequena e pode ser guardada. O ideal é que, conforme a criança cresça, parte dessas atividades seja descartada, mantendo-se como recordação apenas aquelas de maior relevância.

Assim que a minha filha chega da escola, a regra é tirar o uniforme caso este ainda esteja em condições de ser usado novamente. Com o uso do uniforme por pelo menos dois dias, a quantidade de roupas para lavar e passar é menor, além de poupar o uniforme de maior desgaste e desbotamento. As camisetas são trocadas diariamente, estando em condições de serem usadas novamente ou não. Quando o uniforme está em condição de uso para o dia seguinte, ele fica pendurado no cabide de parede. Neste cabide, também coloco a pasta de lição de casa, e a pasta do livro.

As lições de casa são recebidas sempre às quartas-feiras, são feitas no sábado para que a pasta possa ser devolvida na próxima segunda-feira. Esta foi a forma que encontrei para reservarmos um tempo para fazermos a lição de casa juntas, já que a regra da escola é sempre mandar a pasta na quarta-feira para ser devolvida até a próxima quarta-feira. Sobre o projeto de leitura, já falamos aqui.

Desta forma, não temos uniformes, materiais escolares e atividades que a minha filha traz da escola espalhadas pela casa.

Para quem ainda não possui um método de organização para os itens escolares do seu filho(a), fica a dica!

E você, possui algum método de organização diferente e eficaz? Conte para a gente!

Abraços, Mari.

Quando meu marido e eu pensávamos em ter o nosso bebê, estava muito claro para mim que assim que eu voltasse a trabalhar, após a licença maternidade, a minha filha ficaria em um berçário. Inclusive, antes mesmo de engravidar, eu tinha alguns sites de berçários gravados nos meus Favoritos, para conhecê-los quando chegasse o momento necessário.

 O meu período em casa durou 7 meses. Foram 15 dias antes do nascimento da minha filha e 5 meses e meio após o seu nascimento dentro do período da licença maternidade, mais um mês de férias pendente.

Assim, quando a minha filha completou 5 meses, iniciei a minha busca pelo berçário ideal. Mas, algo fugiu do planejado… Durante as minhas visitas aos berçários, eu só conseguia enxergar os problemas deles. Se em um berçário eu encontrasse uma criança sem um pé de meia… Pronto! Já era motivo para eu não querer deixar a minha filha ali.

E, neurose ou não, sofri com isso. Chorava muito pensando em ter que deixá-la para voltar a trabalhar. Cogitei, inclusive, a hipótese de ficar em casa para cuidar dela. Mas meu marido foi resistente, ressaltando todos os benefícios que o trabalho me trazia, e me lembrando do quanto me dediquei aos estudos para ter o meu emprego.

Foi então que decidi contratar uma babá para cuidar da nossa filha. Contratei uma moça que vinha trabalhando na nossa casa como diarista e que tinha experiência como cuidadora de crianças, até mesmo pelo fato de ter uma filha, na época, de 3 anos. E eu admirava a forma como ela cuidava da sua filha, e como era extremamente rigorosa com a sua higiene e alimentação.

Assim, entre berçário, vovó e babá, optei pela babá. Na época, os principais pontos que me fizeram optar por deixar a minha filha com uma babá (vantagens de deixar seu filho com uma babá), foram:

  • Não ter que tirá-la do berço cedo (por volta das 07h00);
  • Não expô-la ao tempo (vento ou chuva) ao entrar e sair de casa;
  • Permitir que ela permanecesse no ambiente em que estava acostumada, com seus pertences;
  • Propiciar a ela o conforto que a nossa casa oferecia (tanto internamente quanto externamente, já que morávamos em condomínio fechado com quadra e playground);
  • Atenção exclusiva e imediata;
  • Prevenção de doenças;
  • Não depender dos avós paternos e/ou maternos;
  • Ter maior controle sobre seu consumo em comparação ao berçário;
  • Ter maior controle sobre a sua rotina.

A minha filha ficou aos cuidados da babá até completar um ano e dois meses. E, durante este período, não me arrependi da escolha que fiz. Porém, outros fatores que foram surgindo durante o tempo em que tivemos uma babá (desvantagens de deixar seu filho com uma babá), me fizeram despedi-la para deixar a minha filha aos cuidados do berçário por meio período e aos cuidados da vovó materna pelo restante do tempo, até o meu retorno para casa. Mas, este é um assunto para um próximo post! 😉

E você, precisou voltar a trabalhar após o nascimento do seu filho(a)? E ele(a) ficou aos cuidados de quem? Quero muito ouvir a sua história!

Abraços, Mari.