No mês de novembro, meu marido e eu decidimos revisitar a cidade de Paraty (o que justifica o Parte II do título do post) em comemoração ao nosso aniversário de casamento. Paraty é uma cidade colonial considerada Patrimônio Histórico Nacional do Rio de Janeiro.

A primeira vez em que estivemos na cidade nossa filha estava com quase 2 anos de idade, como relatei no post Paraty. E, como não poderia deixar de ser, mais uma vez nossa filha nos acompanhou na visita. Viajar com crianças demanda sim mais energia e disposição, mas meu marido e eu ainda não cogitamos a hipótese de viajar sem ela (e, em breve, sem elas. rs).

Desta vez, gostamos muito da pousada escolhida e por isso falo sobre ela para deixar a dica. Novamente, acertei em escolher uma pousada da Associação de Hotéis Roteiros de Charme (como esta aqui). A Pousada Porto Imperial está localizada no centro histórico de Paraty, num casarão de arquitetura colonial. Os ambientes são repletos de cerâmicas, tapeçarias, móveis coloniais, antiguidades e obras de artistas locais. Os apartamentos são batizados com o nome de uma importante mulher da nossa história, artes, música ou literatura.

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Vista das janelas do nosso quarto

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

O quarto é confortável, embora o cheiro de piso e  móveis antigos sejam fortes. Contudo, não pude guardar nada no guarda-roupa. Com o ar-condicionado ligado, o cheiro é amenizado.  A alergia da minha filhota foi atacada, mas prometo voltar para falar sobre o assunto muito em breve.

A pousada possui ótima estrutura com piscina com jacuzzi aquecida, sauna a vapor, wi-fi, estacionamento com manobrista e recepção 24h. A área de lazer é bela e oferece paz. Eu realmente estava precisando descansar!

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Bar da piscina

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Corredor do nosso quarto com vista para o jardim

Pousada Porto Imperial

Vista do corredor do nosso quarto.

Pousada Porto Imperial

Vista do corredor do nosso quarto

Visitar Paraty é uma verdadeira viagem pelo “Túnel do Tempo” que nos faz imaginar como seria a vida neste Brasil antigo, e a pousada faz parte desta viagem. Por isso, trago um pouquinho mais sobre este complexo arquitetônico do século XVIII.

Pousada Porto Imperial

Fachada da Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Pousada Porto Imperial

Janela do nosso quarto visto da rua

Chegamos à pousada numa sexta-feira, após o almoço, e naquele dia somente saímos para jantar no centro histórico, onde tiramos algumas fotos da noite na cidade de Paraty. Devido à localização da pousada não usamos o carro para os passeios, fazíamos tudo a pé.

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

É lamentável contar que perdemos o café da manhã da pousada porque estávamos cansados e acordamos no horário do término da café, às 10h30. Confesso que planejei revisitar a cidade com a intenção de passarmos um dia na cidade vizinha Trindade, como falei no último post sobre Paraty. Mas devido ao horário, também perdemos o passeio à Trindade.

Acontecia em Paraty a VII Folia Gastronômica, com quiosques de produtos gourmets, tachadas e espaço para piquenique com tapiocaria, além de uma área especial para as crianças. Porém, com o sol forte e o cansaço que caminhar sobre o calçamento pé de moloque nos proporciona, optamos por optamos por passar o dia na praia.

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Assim, revisitamos a Praia Vermelha. Na primeira vez em que estivemos lá, o acesso foi realizado através do passeio de escuna (uma das paradas), e desta vez, alugamos um barco para levar a nossa família.

Praia calma, própria para crianças, com areias avermelhadas e quiosques para almoço e lanches. Uma ótima opção de passeio para um dia inteiro.

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Paraty

Na volta para casa, aproveitamos para conhecer o Aquário de Ubatuba, como contei para vocês aqui.

Foi uma delícia de viagem, ótima para descansar, curtir as belezas naturais e a companhia da família. Se quero voltar para Paraty? Com certeza! E Trindade ainda não saiu da lista de lugares que desejo conhecer.

Mais informações sobre Paraty em www.paraty.com.br.

Um abraço,

Conhecemos Visconde de Mauá em abril de 2013, quando optei por comemorar o dia do meu aniversário de uma maneira diferente. Assim, procurei um destino o qual pudesse aproveitar a natureza ao lado da minha família, e não poderia ter escolhido lugar melhor para isso.  Um distrito do município de Resende, no estado do Rio de Janeiro, Visconde de Mauá possui charmosas pousadas que me chamaram a atenção, e a cidade e arredores possuem cachoeiras que proporcionam o contato direto com a natureza.

Visconde de Mauá

A pousada escolhida foi a Pousada Rio dos Cristais. O chalé foi o Rubi, com lareira, hidromassagem dupla e varanda com uma vista deslumbrante. O chalé não é apropriado para casais com crianças menores, pois, embora o chalé possua cama extra, esta fica no mezanino, muito perigoso para crianças. Solicitando, a cama extra pode ser disponibilizada ao lado da cama de casal. E o fato da hidromassagem não possuir divisória com o quarto, faz faltar privacidade ao casal. Contudo, são detalhes claros nas fotos do site da pousada.

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

A pousada não oferece refeições, além do café da manhã. Tanto o chalé que ocupamos quanto a sede da pousada são lindos, e a pousada possui um viveiro de pássaros encantador – a minha filha adorou.

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

No caminho para Visconde de Mauá está Penedo, e antes mesmo da entrada para a cidade de Penedo, às margens da Rodovia Presidente Dutra (BR-116), encontramos uma fábrica de chocolate chamada Chocolate do Penedo, irresistível, vale a pena a parada.

Chocolate do Penedo

Chegamos na pousada por volta das 20 horas, e como a pousada escolhida era distante de restaurantes e estávamos bastante cansados, optamos pelo disk-pizza. Porém, esta não foi uma boa escolha, já que a pizza chegou fria. Contudo, só entendemos o porquê no dia seguinte, quando nos demos conta da distância entre a pizzaria e a pousada. A dica para quem quiser chegar na pousada no fim da tarde de uma sexta-feira, como nós fizemos, é fazer a última refeição na cidade de Penedo e só assim avançar pela íngreme subida até a cidade de Visconde de Mauá.

Na praça da cidade há um posto de informações turísticas, nosso ponto de partida para o passeio do sábado. Dalí partimos para Maringá, uma vila com ruas que lembram a cidade de Embú das Artes (São Paulo/SP). Maringá possui ótimos restaurantes, lojas de artesanato e roupas. Essa região pertence ao  município de Itatiaia no Estado do Rio de Janeiro e fica na divisa com o Sul do Estado de Minas Gerais. Portanto, o rio que corta as duas vilas, possui seu lado esquerdo carioca e seu lado direito mineiro.

Visconde de Mauá

Visconde de Mauá

Visconde de Mauá

Visconde de Mauá

Maringá

Maringá

Maringá

Maringá

Maringá

Maringá

Maringá

Maringá

Em um passeio de jipe, subimos em direção a Maromba, uma vila aparentemente hippie onde pudemos encontrar os principais pontos turísticos naturais, como a famosa Cachoeira do Escorrega. O motorista do jipe, uma rapaz nativo, nos contou histórias da região.

Na época, a minha filha estava completando 3 anos e 3 meses e até então ainda não tinha tido contato com uma cachoeira. E, como acho importante apresentar os recursos naturais e tudo o que estiver ao nosso alcance para facilitar a sua compreensão de mundo, não via a hora de apresentar-lhe uma cachoeira “de verdade”. Ela adorou!

Maromba

Maromba

Maromba

Maromba

Maromba

Maromba

Maromba

Para o jantar, como não encontramos nenhum bom restaurante em Visconde de Mauá e não quisemos voltar em direção a Maringá, resolvemos descer a silhuosa estrada até Penedo. Optamos por um rodízio de fondue ao lado do shopping Vale dos Duendes e em frente ao shopping Pequena Finlândia. Uma pena não me recordar do nome do restaurante, pois ele possuía brinquedos para distração das crianças nos fundos, o que nos permitiu sentarmos próximos dos brinquedos para comermos com calma enquanto observávamos nossa filha brincando com outras crianças. Na época, ainda não tínhamos descoberto sua alergia à proteína do leite de vaca, e portanto, ela ainda não fazia a dieta de exclusão do leite de vaca.

Após o jantar, demos uma volta no shopping Vale dos Duendes e no shopping Pequena Finlândia.

A dica para quem se hospedar em Visconde de Mauá é não menosprezar o frio que pode fazer desde o entardecer até o final da madrugada. A sensação térmica é mais baixa na cidade do que em Penedo, devido à sua altitude.

Penedo

Penedo

Penedo

Visconde de Mauá

Na manhã de domingo, após saborearmos o delicioso café da manhã oferecido pela pousada, com pães de queijo saídos do forno direto para a nossa mesa, voltamos para São Paulo, com nova parada em Penedo. Como já tínhamos conhecido as cachoeiras de Maringá e Maromba, optamos por passarmos a tarde no centro, visitando lojas e artesanato e outras iguarias. Tanto na noite de sábado, como na tarde de domingo, a tão famosa Casa do Papai Noel estava fechada, e por isso ficamos devendo este passeio para a nossa filha.

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Pousada Rio dos Cristais

Penedo

Penedo

Penedo

Penedo

A dica para quem tem filhos é o “Meu CD com meu nome”, que são cantigas de roda cantadas com diversos nomes à venda em CD. Eles estão localizados em uma casinha de madeira (como uma casa de boneca) no shopping Pequena Finlândia. Eu não conhecia o site, os conheci através da visita, e fiquei encantada. Mas, se você não tem a intenção de ir até Penedo, a compra também pode ser feita pelo site meucdcommeunome.com, clicando aqui. Usei o CD com o total de 15 músicas com o nome Maria Eduarda no aniversário da minha filha, e recebi muitos elogios.

Meu CD com meu nome

No final da tarde de domingo, voltamos para a capital de São Paulo.

Visconde de Mauá, com a esticada para Maringá e Maromba são cidades que podem ser conhecidas em um único dia. Penedo também pode ser conhecida em um passeio de um dia inteiro. Entre elas, a cidade que mais gostei foi Penedo, e por isso pretendo voltar lá em uma época em que a Casa do Papai Noel esteja aberta. E, como também não conhecemos as cachoeiras, Penedo realmente merece ser revisitada.

Um abraço,

Mari.

Desde a época em que meu marido e eu éramos namorados, tinha vontade de conhecer Paraty, no Rio de Janeiro. E a oportunidade surgiu quando a minha filha estava com 1 ano e 10 meses. Esta foi a segunda viagem que fizemos com ela, que não fosse para as casas de temperadora dos avós maternos e paternos.

 Chegamos em Paraty por volta das 21h30 de uma quinta-feira, e voltamos no domingo, por volta das 12h.

Não citarei aqui o nome da pousada em que nos hospedamos, pois não a recomendo. Fiquei bastante decepcionada pela falta de limpeza da piscina e do serviço de quarto quase que inexistente.

Paraty é uma cidade histórica fundada entre  1540 e 1560 (a data diverge de historiador para historiador), com estrutura arquitetônica preservada, belíssimas paisagens e diversas opções de laser.











 As minhas principais indicações são:

  • Café e restaurante Café do Canal, que oferece café da manhã, laches e refeições.

  • Passeio de Escuna Banzai, que além do passeio oferece almoço.










Ao chegarmos na cidade, passeamos pelas ruas escuras de Paraty, mas não pudemos observar toda a sua beleza arquitetônica. O sábado foi reservado para o passeio de escuna, e mesmo o retorno do passeio não sendo tão tarde, estávamos exaustos demais para andarmos pelas ruas da cidade.

Por isso, no domingo, dia de partirmos para São Paulo, insisti com o meu marido para conhecermos toda a cidade antes da partida.  Como a minha filha não se equilibrava nas ruas  com calçamento pé de moleque e o sol estava muito forte, ele sugeriu que fizessemos este passeio de charrete. Mesmo com dó do cavalinho, aceitei a sugestão.

Foi o grand finale da nossa viagem! O condutor da charrete era um guia turístico que explicou com detalhes a história das antigas construções. Falou sobre as igrejas e quem podia frequentá-las na grande época. Contou sobre os costumes e o que funcionava em cada edifício. Citou até mesmo quais construções encontravam-se à venda, e os valores de compra. Eu simplesmente adorei, fiquei ainda mais encantada por esta cidade ma-ra-vi-lho-sa.

 

Paraty deixou muitas saudades, e assim que tivermos oportunidade voltaremos para revisitá-la e para conhecer a sua vizinha, a famosíssima Trindade.

Você conhece Trindade, no Rio de Janeiro? Envie para nós suas dicas de viagem. Seja Colaboradora!

Um abraço, Mari.

“Este post foi originado a partir da experiência da blogueira durante a visita aos locais informados, não contando com incentivo financeiro para sua publicação.”